27 2104 0900

Notícias > Detalhe

09/10/2020 -

Cais do Atalaia, que começou a ser operado nesta semana no perímetro do Terminal de Capuaba, em Vila Velha, tem potencial de acelerar em pelo menos três vezes a circulação de cargas, tanto na chegada ao porto, quanto do porto para a terra e, por sua vez, o escoamento para empresas e população.

O destaque, segundo fontes do setor, ficam por conta de eletroeletrônicos vindos de Manaus (AM) e também de manufaturados importados da China.
Cais do Atalaia vai melhorar a logística também de produtos  farmacêuticos, pneus e fertilizantes, além de fogões, geladeiras e ares-condicionados (Foto: Beto Morais/AT)
 

Cais do Atalaia vai melhorar a logística também de produtos farmacêuticos, pneus e fertilizantes, além de fogões, geladeiras e ares-condicionados (Foto: Beto Morais/AT)


Especialista em Regulação licenciado da Agência Nacional de Transportes Terrestres, Halpher Luiggi explica que haverá um ganho em importações, com o Estado conseguindo trazer de fora mais produtos manufaturados.

 

“Navios que antes não aportavam no Espírito Santo, agora passam a aportar daqui com importações. Falo, sobretudo, de produtos trazidos da China”, detalha.

Até então, destaca Halpher, os navios que entravam na baía de Vitória possuíam muita dificuldade de atracamento, elevando o custo de transbordo.

“Dentre outros fatores, iam descarregar de forma mais barata em Sepetiba (RJ) e no Porto do Açu (RJ). Com a redução do custo de carregamento a partir do Cais de Atalaia – aliado à drenagem – ficamos mais atrativos”, explica.

É que, segundo ele, a ampliação do cais permite o recebimento de embarcações de porte maior – cenário difícil anteriormente.

“É importante ter uma retroárea maior para movimentar cargas mais rapidamente. Vamos ter movimentos de navios maiores, mais carregados e descarregados rapidamente. Pode ter de três a mais vezes um ganho de agilidade de distribuição”, explicou.

Presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas e Logística no Estado, Liemar Pretti lembra do entreposto da Zona Franca de Manaus em Cariacica.

“O cais deve agilizar a chegada de mercadoria que vem para o entreposto. Falo, sobretudo, de eletroeletrônicos, linha branca, com destaque para ar-condicionado, e peças. O cais acelera distribuição porque facilita escoamento de pneus, farmacêuticos, fertilizantes, pensando nas grandes transportadoras. Vislumbro um ganho. Se tínhamos um funil, onde o que atracava, parava. Agora ele abriu”.

Previsão é de fim da fila de navios em Capuaba

Em comunicado ao mercado, a Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) indicou que o Cais do Atalaia tem, como impacto, reduzir para zero o tempo de espera de navios para Capuaba.

É que, segundo o material, assinado também pelo Ministério da Infraestrutura, haverá um potencial de incremento de 75% na movimentação de cargas no berço, com um potencial de ganho de capacidade girando em torno de 600 mil toneladas.

Não foram informados os impactos reais em números desses ganhos de movimentação, nem o tempo anterior de espera. A Codesa foi procurada pela reportagem, mas não se manifestou.

O que se comenta nos bastidores é que esses incrementos devem funcionar como um “empurrão” para viabilizar a desestatização da Codesa. A expectativa é que, do mês que vem em diante, seja lançada a consulta pública acerca da privatização.


Fonte: Jornal A Tribuna - 08-10-2020
Copyright 2010 / 2020 Unicon - União Contábil

Vitória ES

Rua Graciano Neves, 230, Centro, CEP: 29015-330
Telefax: (27) 2104-0900 | e-mail: unicon@unicon.com.br
veja nosso mapa
 

Newsletter

Nome:
E-Mail: